Comunicado,



O menu não está funcionando por conta de umas mudanças que estou fazendo no blog.

Em breve tudo estará pronto.Aos meus visitantes peço desculpas pelo transtorno porém coloquei um sofá para que todos não se cansem muito.

A partir de agora todas as postagens do Blog "Assado, Cozido ou Cru?" e"Palavras alheias já que minhas não são." estarão neste Blog:

Entre-Laços!
Enfim tudo Azul e ponto.


Oi!

Oi!
Entrem e sintam-se a vontade pra ler, comentar.É sempre uma honra recebê-los.

23/04/2013

Que mico...

Vocês sabem que já cheguei, vim de trem e cá estou. Muito contente, pois sei que a Sra. Alzheimer ainda está lá pelas bandas da pousada me procurando.
Adorei o transporte, fazia muito tempo que eu não andava de trem, acho que de agora em diante eu vou fazer uso dele e do Metro. Olha só, estaria desfazendo mais um nó se por acaso eu viesse a usar de verdade trem e metro, porque é óbvio que não vou rs.
Morro de medo de cair naquele buraco eu vejo na Teve o salseiro que é entrar e sair do trem, o metro não tem esse vão, mas vai que fica uma mão minha pra fora, já pensou na velocidade que ele anda, é melhor nem imaginar. Ando tão mal acostumada de usar só carro que eu nem sei mais usar transporte público.
Todos ficam me dizendo que sou boba que onde se viu é mais fácil ir a alguns lugares de transporte público do que de carro, menos estressante e eu idiota pra não dar o braço a torcer disse:
- não ando porque não quero, se eu quiser eu vou sim.
E todos riram e de raiva pensei... (vocês vão ver só vou de ônibus até o terminal da estação, nem desço já digo que vou voltar no mesmo) rs.
Lá fui eu para o ponto de ônibus, e de salto alto, porque com meu um metro e meio de altura não ia conseguir segurar naquelas barras pra não cair a cada freada do ônibus, (se existe outra vida quero vir alta, loira, poderosa e sem qualquer Ticozinho e Tecozinho).
Ah! Como demora eu ainda pensei, Ah Tá! Que mais fácil transporte público, eles estavam era querendo me pregar uma peça.
Resolvi esperar mais cinco minutinhos e voltaria, eu que não ia ficar parada naquele ponto de salto alto, que nem dá mais pra se usar, tantos buracos que você vai e o sapato fica preso pelo salto... .Ai! que coisa mais terrível.
Mas minhas preces não foram ouvidas, em dois minutos lá vem o busão, só tinha euzinha no ponto, ele parou eu entrei e uma dona sem educação me empurrou pra desce, que coisa esse povo não quer pagar passagem deve ser parente do motorista e entra e sai sem pagar.
Subi toda toda segurando na barra de ferro em cima do meu salto alto, cheirando a Mademoiselle da Coco Chanel.
Não tinha lugar para sentar apenas um banco vago que era pra idosos, eu tenho cinquenta e cinco anos, mas não sou idosa, mesmo que me digam que sou, até parece que sento num banco desses, talvez quando eu tiver sessenta anos quem sabe meu cérebro vai computar que sou idosa.

Sei que estou na melhor idade, mas vaga com este nome não tem, e a melhor idade é a melhor mesmo, porque dói tudo, aparece tudo, todo mundo me chama de Senhora, ai que ódio deste "Senhora"! E você descobre coisas que nunca nem viu ou ouviu na vida, cada nome estranho nos exames que você faz. Outro dia um médico disse que o que constava no meu exame não era nada de anormal, foi um Nefrologista, ele mesmo disse que até colocam alguns nomes estranhos, mas que era apenas uma glândula renal que se atrofiou e que é muito comum conforme a idade vai avançando...
 Oh Vida! Oh Azar!
Voltemos ao ônibus; eu reparei que todos me olhavam, que será que tem de errado comigo, minha roupa ou coisa parecida, depois de só andar de carro a gente entra numa lotação e com pessoas te olhando e você já desacostumada logo pensa; tem algo errado. Mas não arredei pé, ou melhor, "Salto Alto", fiquei ali segurando orgulhosamente a barra de ferro.
Uia!!!! eu alcancei a barra isso é um feito, dentro de um ônibus e me segurando confortavelmente pra não cair...
... Senti-me a própria Rainha da Inglaterra, mesmo porque que diferença ela tem de mim? Nunca andou de transporte coletivo também, então comparação exata, nem vem que não tem rs.
E lá vou eu, já nem fazia mais questão de me sentar já estava orgulhosa o suficiente, logo eu estaria no ponto final e era só pagar e pegar o mesmo ônibus nem precisaria descer, nas minhas mais remotas lembranças de quando usei ônibus era assim.

Ponto Final!

Graças a Deus, porque olha vou te contar, me segurar o tempo todo, eita motorista ruinzinho, (depois dizem que as mulheres não são boas no volante,) vai frear assim lá na Mongólia mais parecia um troglodita ou era meio míope, se eu não estivesse de salto para alcançar a barra eu teria caído de primeira e o Ponto Final ia ser o Pronto Socorro mais próximo, porém, na volta eu ia conseguir sentar porque todos estavam descendo, só que à medida que passavam por mim me olhavam torto.
Ué eu não estava fazendo nada, já estava a ponto de perguntar...
-Que  est - ce? Perderam algo aqui?

Mas não ia cair bem uma Mademoiselle de salto quinze, preferi me calar. Todos desceram e eu me aproximei do motorista e falei:
- Senhor eu vou voltar ao mesmo ponto de onde saí, posso pagar e aguardar aqui mesmo ou tenho que descer? -Ele me disse...
-Minha senhora não precisa descer se não quiser, mas vá até o cobrador e pode pagar a passagem e ele roda a roleta, assim ele fecha o caixa e depois pode fazer o mesmo, pague a passagem de ida ele pode rodar a roleta de novo e aguarde aqui se preferir, sairemos dentro de meia hora.
Ah tá que vou descer e ficar em pé com esse salto até abrir a porta vou é ficar aqui mesmo.
Eis que a porta abre e eu sentadinha no meu lugarzinho (que felicidade enfim sentada) e povo ia começar a subir.
A porta abriu, mas contrário de onde eu entrei que coisa esquisita, vai ver que por ser o Ponto Final e o Ponto Inicial era diferente.
O ônibus saiu e com o passar do tempo eu via algumas pessoas chegarem e esperar o ônibus parar e desciam, fiquei intrigada, mas o que eu podia fazer, perguntar é que eu não ia e assim foi o trajeto inteiro.
Quando me aproximava do meu ponto eu fui me levantando e graças a Deus algumas pessoas que estavam sentadas perto de mim apertaram um botão no cano e o motorista parava, desta eu estava livre, mas e quanto ao povo que entrou pela porta contrária que eu entrei? Se não fosse para usar ela não estaria aberta quando eu dei sinal na ida.
E enquanto o ônibus ia parando eu fui me dando conta que havia algo de muito certo neste errado, (como dizia uma conhecida minha), o ônibus parou eu agradeci ao motorista e ele respondeu educadamente:
- de nada minha Senhora...
...mas eu vislumbrei um meio sorriso no rosto dele, o mesmo que me pareceu quando paguei as duas passagens no ponto final, só que do cobrador.

Fiquei encafifada, aí foi que eu tomei consciência do que eu fiz, entrei pela porta errada!!!!!!!!!!!!!!

Mas porque ela se abriu quando ele parou no ponto?

Porque sua ANTA alguém ia descer no ponto que você ia subir, por isso a dona Maróca que desceu me olhando como se eu fosse culpada pelas coisas erradas que talvez ela tivesse passado naquele dia, passou feito uma jamanta.
Porque tem gente que é assim, passa por coisas e depois acha que o mundo todo tem culpa e passam pela gente como se fossemos os culpados e ai de quem reclamar, é capaz de levar uns xingos.
Agora esta ANTA aqui entendeu o porquê que todos me olhavam, não era nada errado comigo tão pouco me achando uma Rainha, (porque não é por nada não, eu estava muito bem vestida).
Ainda bem que a porta abriu pra alguém descer caso contrário o meu mico ia ser pior
Pensa numa pessoa bem arrumada, de salto quinze, cheirando a perfume francês parada diante de uma porta fechada sem entender nada? Ah ia ser pior com certeza.
No final deu tudo certo mesmo eu me achando uma anta eu nunca mais ia ver aquele povo de novo, ou ia? Eu não ia contar nada pra ninguém que paguei mico, só que quando cheguei ficou todo mundo olhando pra minha cara quando disse que andei de ônibus e a minha filha me disse:
- vestida deste jeito mãe??? 
-Ué o que tenho demais, nem pensar que ia andar mal arrumada,  ela revirou os olhos, (que ódio que eu tenho quando eles fazem isso pra mim!!!).
-é lógico NÉ mãe, quem é maluco de andar assim num ônibus ou trem ou metro, só se quiser ser assaltada, andando mal arruma já assaltam que dirá desse jeito.
-Mas que jeito? Eu sempre me arrumei pra sair.
Aí é que foi pior, porque todos reviraram os olhos, até a Sophia (minha cachorra traidora), e disseram quase todos juntos.
-MANHÊÊÊ você não assiste Tevê, os assaltos são mais frequentes e basta ter um celular pra eles até matarem, e você sai emperiquitada desse jeito com coisas de marca toda chique, é um prato cheio pra ladrão.
Eu me enchi, e falei...
- quer saber, eu vou subir e me trocar tenho mais o que fazer. (eu não ia dar o braço a torcer mesmo...).



Gente como é triste ser uma ANTA.

 

O Nó eu desfiz, mas acabei mesmo... Entre-Laços.

 

Nenhum comentário :

Postar um comentário