Comunicado,



O menu não está funcionando por conta de umas mudanças que estou fazendo no blog.

Em breve tudo estará pronto.Aos meus visitantes peço desculpas pelo transtorno porém coloquei um sofá para que todos não se cansem muito.

A partir de agora todas as postagens do Blog "Assado, Cozido ou Cru?" e"Palavras alheias já que minhas não são." estarão neste Blog:

Entre-Laços!
Enfim tudo Azul e ponto.


Oi!

Oi!
Entrem e sintam-se a vontade pra ler, comentar.É sempre uma honra recebê-los.

23/03/2013

"Eis a questão"


"Ser ou não ser, eis a questão" (no original em inglês: to be or not to be, that's the question) vem da peça A tragédia de Hamlet, príncipe da Dinamarca, de William Shakespeare. Encontra-se no Ato III, Cena I e é frequentemente usada como um fundo  filosófico profundo. Sem dúvida alguma, é uma das mais famosas  frases da literatura mundial. O verso, citado pelo personagem principal  Hamlet, é o seguinte:


Ser ou não ser, eis a questão: será mais nobre
Em nosso espírito sofrer pedras e flechas
Com que a Fortuna, enfurecida, nos alveja,
Ou o insurgir-nos contra um mar de aprovações
E em luta pôr-lhes fim? Morrer... dormir: não mais.
Dizer que rematamos com um sono  a angústia.
E as mil pelejas naturais-herança do homem:
Morrer para dormir... é uma consumação
Que bem merece e desejamos com fervor.
Dormir... Talvez sonhar: eis onde surge o obstáculo:
Pois quando livres do tumulto da existência,
No repouso da morte o sonho eu tenhamos
Devem fazer-nos hesitar: eis a suspeita
Que impõe tão longa vida aos nossos infortúnios.
Quem sofreria os relhos  e a irrisão do mundo,
O agravo do opressor, a afronta do orgulho,
Toda a lancinação do mal-prezado amor,
Os doestos que dos nulos têm de suportar
O mérito paciente, quem o sofreria,
Quando alcançasse a mais perfeita quitação
Com a ponta de um punhal? Quem levaria fardos,
Gemendo e suando sob a vida fatigante,
Se o receio de alguma coisa após a morte,
-Essa região desconhecida cujas raias
Jamais viajante algum atravessou de volta-
Não nos pusesse a voar para outros, não sabidos?
O pensamento assim nos acovarda, e assim
Com o tom pálido e enfermo da melancolia;
E desde que nos prendam tais cogitações,
Empresas de alto escopo e que bem alto planam
Desviam-se de rumo e cessam até mesmo
De chamar ação.""" [...]



Achei interessante, pois como foi dito uma das frases mais usadas mundialmente e, muitas vezes a gente nem sabe de onde ela veio e como é coerente quando se lê quase todo o verso.



Nenhum comentário :

Postar um comentário