Comunicado,



O menu não está funcionando por conta de umas mudanças que estou fazendo no blog.

Em breve tudo estará pronto.Aos meus visitantes peço desculpas pelo transtorno porém coloquei um sofá para que todos não se cansem muito.

A partir de agora todas as postagens do Blog "Assado, Cozido ou Cru?" e"Palavras alheias já que minhas não são." estarão neste Blog:

Entre-Laços!
Enfim tudo Azul e ponto.


Oi!

Oi!
Entrem e sintam-se a vontade pra ler, comentar.É sempre uma honra recebê-los.

01/12/2010

Eu

Eu

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
Sou a crucificada... a dolorida...




Sombra de névoa tênue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!



Florbela Espanca
 
 
(imagem: Kiyo Murakami)

2 comentários :

  1. Florbela Espanca foi uma poetisa fora do comum, até porque viveu numa sociedade (rural alentejana) e numa época muito espartilhadas. perceber isso ajuda a entender a sua enorme força poética...

    beijo :)

    ResponderExcluir
  2. Oi Amigo.

    Sim ela tem uma força poética incrível, um amigo alentejano gosta muito da poesia de Florbela, eu começei a ler e gostei também.

    Bjus

    ResponderExcluir