Comunicado,



O menu não está funcionando por conta de umas mudanças que estou fazendo no blog.

Em breve tudo estará pronto.Aos meus visitantes peço desculpas pelo transtorno porém coloquei um sofá para que todos não se cansem muito.

A partir de agora todas as postagens do Blog "Assado, Cozido ou Cru?" e"Palavras alheias já que minhas não são." estarão neste Blog:

Entre-Laços!
Enfim tudo Azul e ponto.


Oi!

Oi!
Entrem e sintam-se a vontade pra ler, comentar.É sempre uma honra recebê-los.

06/11/2010

onde foi parar nosso tempo?

"UM MINUTINHO SÓ...

VOCÊ JÁ PERCEBEU que o futuro vive correndo atrás do tempo com o objetivo de ganhar a corrida? Já percebeu que tudo que se inventa é pra fazer a gente ganhar um tempinho a mais? As fraldas hoje são descartáveis, o achocolatado é instantâneo, a câmera é digital, e o bolo que fazíamos seguindo uma receita cheia de ingredientes já vem pronto, fatiado. A impressora faz você não perder mais tempo com o papel-carbono nem com o branquinho. Ninguém mais engoma roupa, dá corda no relógio, aponta o lápis nem mói carne porque é perda de tempo. O e-mail fez com que voçê não perdesse mais tempo com bloco de carta, caneta, envelope, selo, cola e fila de correio. Com o CD a gente não perde mais tempo virando o disco ou passando uma flanelinha no vinil. A compra pela internet evita que percamos tempo engarrafados no trânsito, na busca por uma vaga, na fila no caixa, esperando o troco, o embrulho pra presente. E com o velcro não perdemos tempo procurando a casa para enfiar o botão. Vou ficando por aqui, porque, pensando bem, não tenho mais tempo a perder."

Do livro " Onde foi parar o nosso tempo? "  de Alberto Villas.





Quando comecei a ler o livro não pensei que gostaria tanto. Claro que o fato de ter vivenciado quase tudo nele descrito me trouxe belas lembranças, mas também porque fatalmente me fiz a mesma pergunta, onde foi parar nosso tempo?

Não tenho nada contra a modernidade, muito pelo contrário, mas na verdade a gente descobre não saber lidar com o tempo que, supostamente ganhamos, e constatamos uma realidade no mínino intrigante...
Tempo é o que menos temos hoje.

Uma leitura leve, interessante, tanto para quem presenciou a era do rádio como para quem nasceu na era digital, tanto que meu filho adorou, mesmo porque a lembrança dele é do primeiro computador que ele mexeu com quatro anos de idade e não das fraldas de pano que eu lavava todos os dias, já tinha fralda descartável na época mas o danadinho era alérgico rs.

Recomendo.



(imagem: Marcelo J Costa)


Nenhum comentário :

Postar um comentário