Comunicado,



O menu não está funcionando por conta de umas mudanças que estou fazendo no blog.

Em breve tudo estará pronto.Aos meus visitantes peço desculpas pelo transtorno porém coloquei um sofá para que todos não se cansem muito.

A partir de agora todas as postagens do Blog "Assado, Cozido ou Cru?" e"Palavras alheias já que minhas não são." estarão neste Blog:

Entre-Laços!
Enfim tudo Azul e ponto.


Oi!

Oi!
Entrem e sintam-se a vontade pra ler, comentar.É sempre uma honra recebê-los.

15/11/2009

A Lição

 As sandálias do discípulo ressoavam surdamente nos degraus de pedra que levavam aos do velho mosteiro.


Empurrou a pesada porta de madeira que cerrava os aposentos do ancião.

E custou a localizá-lo na densa penumbra, o rosto velado por um capuz, sentado atrás de enorme escrivaninha, onde, apesar do escuro, fazia anotações num grande livro, tão velho quanto ele.

E o discípulo o inquiriu:

- Mestre, qual o sentido da vida?

O idoso monge, permanecendo em silêncio, apenas apontou um pedaço de pano, um trapo grosseiro no chão junto à parede.

Logo após, seu indicador ossudo e encarquilhado mostrou, no alto do aposento, o vidro da janela, opaco sob décadas de poeira e teias de aranha.

O discípulo pegou o pano e subiu em algumas prateleiras de uma pesada estante forrada de livros.

Conseguiu alcançar a vidraça e começou então a esfregá-la com vigor, retirando a sujeira que impedia sua transparência.

O sol inundou o aposento, banhando com sua luz estranhos objetos, instrumentos raros e dezenas de papiros e pergaminhos com misteriosas anotações e signos cabalísticos.

O discípulo, sem caber em si de contentamento, a fisionomia denotando o brilho da satisfação, declarou:

- Entendi mestre. Devemos nos livrar de tudo que ATRAPALHE nosso aprendizado... Retirar o pó dos preconceitos e as teias das opiniões que impedem O RECEBER da luz do conhecimento e então enxergaremos A VERDADE, com mais nitidez.

O jovem discípulo fez então uma reverência, e deixou o aposento, agora iluminado, a fim de dividir com os outros a lição recém aprendida.

O velho monge, o rosto enrugado ainda encoberto pelo largo capuz, os raios do sol da manhã banhando-o com uma claridade a que se desacostumara, olhou o discípulo se afastando.

Deixou escapar um tênue sorriso e pensou:

- Mais importante do que aquilo que alguém mostra é o que a outra enxerga!

E murmurou baixinho:

- Eu só queria que ele colocasse o pano no lugar de onde caiu.



Hugo Pinto Homem
(Pseudônimo de Hugo Calvoso Pinto Homem)



 
Texto recebido por e-mail.como apresentação de slides.
Alguns sites que pesquisei encontrei-o postado da mesma forma e com a mesma autoria.
Consultei Rosangela Aliberti que, gentilmente  me atendeu e entrou em contato com o site do autor, estamos aguardando a confirmação.
Recomendo :  http://rosangelaliberti.multiply.com/journal
http://www.rosangelaliberti.recantodasletras.com.br/




(imagem: 1000imagens)

Nenhum comentário :

Postar um comentário